image
COMPREENDI
image
voltar Cancro

Diagnóstico do cancro: Projeto pioneiro na Universidade de Coimbra

Atualizado a 22 abril 2019

"alquimia do século XXI"

A Universidade Coimbra desenvolveu um acelerador de partículas (ciclotrão) que vai permitir o diagnóstico mais rigoroso dos cancros da próstata e do pâncreas.

Esta nova técnica aperfeiçoa a produção do isótopo Gálio-68, fundamental para o diagnóstico daquele tipo de cancros.

O projeto teve um investimento de dois milhões de euros e foi desenvolvido em parceria com a multinacional belga IBA e o Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde (ICNAS) da Universidade de Coimbra.

A tecnologia para a produção do referido isótopo e sua transformação em radiofármaco foi desenvolvida exclusivamente pelo ICNAS e a criação de ciclotrões contou com a colaboração da IBA, um dos maiores fabricantes de ciclotrões do mundo.

Logo que o primeiro ciclotrão deste tipo seja validado pela Universidade de Coimbra, a sua produção pela IBA poderá avançar para todo o mundo.

Com cerca de dois metros de altura e largura e 17 toneladas de peso, o acelerador transforma água em Flúor-18 (o isótopo mais utilizado para diagnóstico de cancro) e, a partir de agora, passa a transformar uma solução onde está dissolvido zinco (um elemento estável e presente na natureza) em Gálio-68, um elemento radioativo. É a "alquimia do século XXI", segundo o coordenador do projeto, Francisco Alves.

A descoberta poderá mudar por completo o acesso ao diagnóstico dos tumores do pâncreas e da próstata que, muitas vezes, não são detectados nos exames clássicos.

É este elemento radioativo que poderá mudar por completo o acesso ao diagnóstico dos tumores do pâncreas e da próstata que, muitas vezes, não são detectados nos exames clássicos e cuja descoberta precoce é muito importante.

Tornar o gálio mais acessível reveste-se da maior importância, já que, como salientou o diretor do ICNAS, Antero Abrunhosa, a falta do gálio é um problema global.

Recorde-se que, no ano passado, a Associação Americana de Medicina Nuclear para a agência norte-americana FDA (equivalente à INFARMED), alertou que a solução para a falta desse isótopo poderia estar na Europa, através da tecnologia criada em Coimbra.

Os produtos indicados no artigo poderão não estar cobertos pelo seguro de saúde, assim deverá ver as condições do seu contrato.

Tenho Cancro. E depois? é um projeto editorial da SIC Notícias com o apoio da Médis.

Proteção Oncológica Reforçada

Uma nova forma de lutar contra o cancro

  10 image

Pode também ler

Ler mais

Descarregar a aplicação Médis para o meu smartphone

O meu Seguro de Saúde está aqui

Coloque o seu telemóvel na vertical

Coloque o seu telemóvel na vertical para navegar no site.

Atualize os seus

dados

Para que possa avançar para a sua área pessoal, atualize por favor os seus dados.

Esta atualização irá permitir-lhe receber notificações sobre os seus Reembolsos e Pré-Autorizações.

Atualizar