image
image;
voltar Cancro

900 mil casos de cancro do fígado foram diagnosticados no ano passado em todo o mundo

Atualizado a 19 abril 2021

Fatores de risco associados ao cancro do fígado

Na Europa, as doenças de fígado são a sétima causa de morte e em Portugal representam a quinta causa de morte precoce. A dimensão e o impacto social das doenças do fígado são ainda desconhecidas da população em geral e de muitos profissionais de saúde.

Mais de 830 mil pessoas morreram de cancro do fígado, no ano passado, em todo o mundo, e mais de 900 mil novos casos foram diagnosticados.

São estes os números que dão sentido à campanha “Cuide do seu fígado” que a Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) lança, em parceria com a Europacolon Portugal e a Associação Portuguesa para o Estudo do Fígado, com o objetivo de sensibilizar, informar e prevenir a população sobre as doenças do fígado, bem como para alertar para os hábitos a adotar para um bom funcionamento deste órgão essencial. São eles: alimentação saudável, prática de desporto e consultas regulares ao gastrenterologista.

A campanha conta a história do João e deixa uma mensagem clara: O fígado devia estar sempre no centro das atenções, mas pelas melhores razões. É um órgão imprescindível e não podemos viver sem ele.

Todos os anos surgem, em Portugal, cerca de mil a 2 mil novos casos de cancro e realizam-se cerca de 250 transplantes do fígado.

"Estas doenças afetam não só o doente, mas também a família e a sociedade em geral", diz Rui Tato Marinho, presidente da SPG.

Cerca de 10 a 40% das pessoas com cirrose vêm a desenvolver cancro do fígado ao fim de 10 anos.

Causas principais de cirrose em Portugal:

  • consumo excessivo de álcool durante anos
  • hepatite c
  • excesso de peso.

A obesidade, a diabetes e o excesso de colesterol levam à acumulação de gordura no fígado. Este excesso de gordura chama-se “esteatose” que poderá levar a que o fígado fique inflamado e provoque alteração das análises. Mais de 1 milhão de portugueses têm análises do fígado alteradas, sendo que estas devem ser incluídas como sendo de rotina.

As doenças do fígado associadas à obesidade e diabetes têm vindo a aumentar, nos últimos anos, e com o aumento da obesidade prevê-se que o impacto seja mais grave daqui a algumas décadas, quando a geração da obesidade infantil chegar aos 40 anos.

COVID-19 e cancro do fígado

Atrasos nos exames impediram o diagnóstico "em fase tratável"

Devido à pandemia, "houve dificuldade em fazer os exames, portanto admitimos que para algumas pessoas se tenha perdido um bocado o tempo para fazer o diagnóstico do cancro do fígado ainda em fase tratável", disse o presidente da SPG à agência Lusa.

No entanto, a pandemia pode vir a causar ainda mais danos, no futuro, devido ao aumento de duas das três principais causas de cancro do fígado (excesso de peso e consumo excessivo de álcool) que se tem verificado, de forma geral, durante o último ano. Leia mais aqui.

Tenho Cancro. E depois? é um projeto editorial da SIC Notícias com o apoio da Médis.

Proteção Oncológica Reforçada

Uma nova forma de lutar contra o cancro

  10 image

Pode também ler

Ver mais artigos

App Médis: o seu Serviço Pessoal de Saúde sempre consigo.

O meu Seguro de Saúde está aqui

Coloque o seu telemóvel na vertical

Coloque o seu telemóvel na vertical para navegar no site.

Atualize os seus

dados

Para que possa avançar para a sua área pessoal, atualize por favor os seus dados.

Esta atualização irá permitir-lhe receber notificações sobre os seus Reembolsos e Pré-Autorizações.

Atualizar